Google+








.

Economia de água na agricultura é tema de evento no DF

Rede Agrohidro da Embrapa busca despertar a atenção para a questão. Confira algumas dicas do pesquisador Lineu Neiva.

Nesta sexta-feira (27), a Rede Agrohidro, da Embrapa, vai realizar o I Dia da Água na Agricultura no Distrito Federal, com atividades em comemoração ao Dia Mundial da Água no núcleo rural do Buriti Vermelho, a partir das 8h30.
Além de nivelar as informações entre as instituições que atuam na região e o comitê da bacia do Rio Preto, o evento pretende aumentar a sinergia entre as instituições, despertar a atenção para a questão da água na agricultura e definir uma agenda visando ao uso racional da água na região.
O pesquisador da Embrapa Cerrados e coordenador da Rede Agrohidro,Lineu Rodrigues, ministrará palestra sobre agricultura e recursos hídricos na Bacia do Buriti Vermelho. 
Também haverá apresentações de representantes do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), da Emater-DF, da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri), da Agência Reguladora de Águas e Saneamento (Adasa), e do Comitê de Bacia dos Afluentes do Rio Preto no DF.
As palestras terão duração de 20 minutos, com mais 10 minutos para perguntas. À tarde, será promovido um debate sobre ações efetivas que podem ser realizadas pela Rede em parceria com as diversas instituições.

Programação

O evento integra as ações que estão sendo promovidas pela Rede Agrohidro em diversas regiões do País durante esta semana. Confira a programação completa
A Rede Agrohidro foi formada por um grupo de pesquisadores da Embrapa em virtude dos desafios associados às crises de suprimento de alimentos e de água no mundo, e tem parcerias estratégicas com diversas universidades e instituições governamentais. Atualmente, a rede conta com atividades em todos os biomas brasileiros e desenvolve diversos projetos de pesquisa.
O evento acontece na Escola Classe Buriti Vermelho – DF-270 - Núcleo Rural Buriti Vermelho no Paranoá (DF).

Economia na agricultura

A agricultura é responsável pela maior parte do consumo de água. Segundo o pesquisador da Embrapa Cerrados, Lineu Neiva Rodrigues, hoje estima-se que o setor utilize cerca de 70% das águas retiradas dos mananciais .
"Este número tem sido bastante questionado quanto a forma com que é calculado. Em relação à eficiência de irrigação, que dá uma estimativa da perda de água no sistema, os equipamentos mais modernos irrigam com uma eficiência em torno de 80 a 90%", relata. 
Confira abaixo algumas sugestões do pesquisador para evitar o desperdiço na agricultura: 
Verificar se há vazamento em tubos condutores de água. Caso constatado é aconselhável providenciar o conserto imediato;
Realizar a irrigação da planta no período noturno, momento em que a força dos ventos é menor;
Adotar técnicas de manejo de irrigação, como, por exemplo, o tensiômetro ou métodos do balanço de água no solo;
Determinar a quantidade de água perdida por meio do processo de 'evapotranspiração' da cultura - processo simultâneo de transferência da água para atmosfera por evaporação da água do solo e transpiração das plantas;
Realizar a medição da água da chuva através de equipamentos como pluviômetros;
Em fruticultura (mamão, uva) e hortaliças, a ‘irrigação localizada (gotejamento’ e ‘microaspersão')’ é mais utilizada. Trata-se de um método que normalmente apresenta maior eficiência, embora isso não possa ser generalizado;
Já em grandes plantações utilizam-se outros métodos de irrigação, como a aspersão convencional e o pivô central.
Visite o site Água na Agricultura e conheça as tecnologias para o uso eficiente e sustentável da água na atividade agrícola.


Fonte: Portal Brasil

Projetos da Codevasf permitirão economia de até 70% da água em quatro perímetros do Submédio São Francisco

Projetos executivos que apontam para uma economia de 60 a 70% do volume anual da água utilizada nos perímetros irrigados Bebedouro, em Pernambuco, e Curaçá, Tourão e Maniçoba, na Bahia, serão entregues, no próximo dia 07 de abril, pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), a 670 produtores familiares.
Nos projetos estão detalhados todos os pontos necessários que vão permitir aos agricultores realizar a substituição dos seus sistemas de irrigação originais, com sulcos perdulários, por sistemas localizados mais eficientes, como gotejamento e microaspersão, a exemplo do piloto implantado no perímetro Mandacaru. O investimento nessa ação foi da ordem R$ 1,5 milhão, com recursos da Codevasf e do Ministério da Integração Nacional, por meio da Secretaria Nacional de Irrigação (Senir), repassados diretamente à Companhia.
“Esse é um investimento de resultado rápido e eficaz, que irá proporcionar ao agricultor a redução de gasto com energia elétrica, diminuição significativa do consumo de água, incremento da superfície da área útil irrigável e consequentemente aumento da produtividade. Ganha o produtor e ganha o meio ambiente”, afirma o presidente da Codevasf, Elmo Vaz.
No Mandacaru, localizado a cerca de dez quilômetros da sede de Juazeiro (BA), além da economia de água na irrigação de todo o perímetro – em torno de 50% –, a metodologia, desenvolvida pelos engenheiros agrônomos Rodrigo Vieira e Frederico Calazans e pelo engenheiro eletricista Juan Ramon Fleischmann, da Codevasf, pôs um ponto final no desperdício de água, permitiu maior eficácia na aplicação dos produtos químicos, melhor desenvolvimento da planta, economia de energia elétrica, redução dos custos de produção, aumento significativo dos índices de produtividade e melhoria da renda do produtor.
De acordo com Frederico Calazans, que é secretário-executivo da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação da Codevasf, a introdução de algumas inovações no desenvolvimento dos projetos, como os testes de bulbo, que permitem, por exemplo, uma melhor definição dos equipamentos a serem instalados, vai propiciar uma economia ainda maior nos quatro perímetros onde a metodologia deve ser implantada. “Nos projetos concebidos pela empresa vencedora da licitação, sob a supervisão dos técnicos da Codevasf, chegamos a uma economia média de 60% de água nos perímetros e com uma precisão ainda maior do que no Mandacaru”, explica.
Calazans acrescenta que o custo total estimado para a implementação de todos projetos é em torno de R$ 39 milhões. “A agricultura irrigada deve ser repensada, conduzida, ao máximo, na eficiência pelo uso da água. Com essa economia, essa água pode ser, inclusive, direcionada para outros usos, dentre eles, energia elétrica, consumo humano, indústria. A criação de um fundo de modernização da agricultura irrigada poderia facilitar o acesso dos produtores aos recursos necessários para implementar os projetos em suas propriedades”, opina.
O engenheiro Rodrigo Franco, que é um dos fiscais do projeto, destaca a relevância dessa ação, sobretudo em uma época em que o país passa por uma crise de abastecimento hídrico. “Esse projeto é importante não só para a região. Ele é importante para qualquer lugar do planeta em que haja desperdício de água. Não se justifica mais trabalhar com irrigação por superfície. A metodologia que desenvolvemos está comprovada e aprovada. É pegar e implantar”, reforça.
Os produtores de Bebedouro, Curaçá, Maniçoba e Tourão estão ansiosos por receber os projetos. É o caso de Domingos Rocha da Silva, que há 33 anos atua no perímetro Curaçá. Em seu lote, com cerca de sete hectares, ele planta manga e coco. “Estou bem animado. Os outros produtores que já fizeram a mudança do sistema me disseram que diminuem os custos com água. Chegando aqui, o que eu mais quero é montar logo. Só vai trazer benefícios”, disse.

Projeto piloto

O projeto-piloto concebido pelos engenheiros da Codevasf foi realizado em um dos lotes do perímetro Mandacaru, o de número 38, onde eles fizeram estudos sobre as necessidades do lote, a oferta de água necessária para o desenvolvimento da produção e o melhor sistema de irrigação a ser utilizado.
Basicamente, os perímetros irrigados funcionam com uma estrutura hídrica composta por sistemas de captação e distribuição de água e drenos de escoamento da água não utilizada ou de chuva. No sistema mais tradicional de irrigação, a água é bombeada do rio e levada, por gravidade, através de canais abertos até os lotes, onde, por meio de valas ou subcanais, é jogada na terra através do uso de sifão. Esse sistema apresenta problemas como desperdício de água, seja pela evaporação, vazamentos, seja pelo excesso do líquido; além de erosão do solo e contaminação do meio ambiente, pois a água carreia os produtos químicos utilizados na produção.
O sistema idealizado pelos engenheiros da Codevasf constitui-se de pequeno reservatório escavado na terra e dentro do lote, de onde é retirada a água por meio de bomba, que pressuriza e leva o líquido por meio de pequenas mangueiras plásticas, de aproximadamente 33 mm de diâmetro e com pequenos furos, por onde a água goteja sobre a planta. Dependendo da cultura, a técnica utilizada é a de microaspersão, que funciona de maneira semelhante, só que a mangueira não possui furos, e a água é aspergida por meio de pequena haste cravada na terra com um microaspersor na ponta, que distribui a água em uma pequena área próxima à planta.

Metodologia reconhecida

Os resultados do Mandacaru em relação à economia de água e aumento da produtividade já são comprovados. “Mais terra sendo irrigada, com uso mais eficiente da água. A mesma quantidade que antes atendia parcialmente os 400 hectares do perímetro de Mandacaru, hoje atende cerca de 800 hectares – dobrou a capacidade do perímetro – e ainda sobra recurso hídrico para a geração de energia e outros usos”, destaca Frederico Calazans. Com a mudança no sistema de irrigação realizada no perímetro Mandacaru, a Codevasf já recebeu importantes premiações. No ano passado, a empresa foi uma das finalistas do Prêmio ANA 2014 na categoria “Governo”, pela contribuição para a gestão e o uso sustentável dos recursos hídricos.
A Companhia também foi uma das finalistas do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2013, na categoria “Gestores Públicos” e, em 2009, conquistou o prêmio ECO (promoção da Amcham e do Jornal Valor Econômico), na categoria Sustentabilidade em Novos Projetos, atribuído pela primeira vez ao Nordeste.
Em 2011, o projeto foi apresentado no Fórum de Sustentabilidade Empresarial da Rio+20, realizada no Rio de Janeiro. No mesmo ano, a empresa recebeu o Selo Diamante pela organização não-governamental Ecolmeia, de São Paulo, por essa iniciativa.


Fonte: Codevasf

Novos equipamentos ampliam eficiência da produção familiar em perímetros da Codevasf

Os perímetros irrigados Propriá, Cotinguiba/Pindoba e Betume, no Baixo São Francisco sergipano, estão tendo seus equipamentos renovados pela Codevasf. Nesta terça-feira (24), a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba entregou três caminhões-caçamba para as associações de produtores dos perímetros – os veículos serão usados em ações rotineiras de operação e manutenção. O ato de entrega foi realizado no Escritório de Apoio Técnico de Propriá (SE).
A aquisição dos caminhões é resultado de um investimento de R$ 1,8 milhão, montante utilizado também na aquisição de três escavadeiras hidráulicas e uma retroescavadeira. O valor investido pela Codevasf garantiu ainda a capacitação dos operadores responsáveis pelo uso das máquinas e veículos. A ação foi realizada com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
O presidente da Associação de Produtores do Perímetro Propriá, Roberto Alves, disse que a ação atende a uma necessidade dos agricultores familiares instalados no projeto. “Essas caçambas viabilizam a remoção e o transporte de materiais, possibilitando a recuperação de estradas. E as máquinas são fundamentais para os perímetros, porque é com elas que fazemos o serviço pesado. Sem esses equipamentos, não é possível realizar nenhuma ação de revitalização”, afirmou.
Said Schoucair, superintendente regional da Codevasf em Sergipe, afirmou que a empresa está empenhada na reabilitação dos perímetros do Baixo São Francisco sergipano. “Entregamos várias máquinas novas que vão contribuir para a melhoria das condições dos perímetros irrigados Propriá, Cotinguiba/Pindoba e Betume. E mantemos o compromisso de viabilizar novas ações, sempre em parceria com os distritos de irrigação, para o desenvolvimento dessa região”, declarou o superintendente.
A Codevasf está realizando uma série de investimentos para reabilitar os perímetros irrigados Propriá, Cotinguiba/Pindoba e Betume. No início do ano, foi concluída a reabilitação de mais de 141 mil metros cúbicos da rede de drenagem, com a reconstrução de 2.441 metros cúbicos. Estão em andamento as obras de reabilitação de 57 quilômetros de canais de irrigação, fruto de um investimento de R$ 26,2 milhões e a reabilitação de 51 conjuntos de eletrobombas, em que estão sendo investidos R$ 2,1 milhões.
Está em andamento também a pavimentação granítica de 36 quilômetros de corredores internos de escoamento da produção agrícola, obra que é realizada em parceria com a Secretaria de Estado da Infraestrutura e do Desenvolvimento Urbano (Seinfra), resultado de um investimento de R$ 13,7 milhões. E está em fase final o serviço de cadastramento e georreferenciamento das áreas dos perímetros irrigados.
Participaram da solenidade o prefeito de Propriá, José Américo de Lima, a vice-prefeita de Propriá, Josilene Lima, o presidente da Câmara Municipal de Propriá, José Aelson Santos, os vereadores Heldes Guimarães e Jurandy Sandes, o coordenador nacional do Movimento Nacional da Luta pela Moradia, Wellington Teixeira, o chefe de gabinete da 4ª Superintendência Regional da Codevasf em Aracaju, Antônio Porfírio, o gerente regional de Irrigação, Ricardo Martins, e o chefe do Escritório de Apoio Técnico de Propriá, Marcos Caetano.


Fonte: Codevasf

ShareThis

Translate/Traduzir/Traducir/ترجم/翻譯/Übersetzen/Traduire/नुवाद करना/Tradurre/переводить/לתרגם

Últimas postagens

Postagens populares